Cultura


Procurador estreia no cinema com filme sobre transgêneros

Eduardo Varandas é roteirista e diretor de 'Hosana nas Alturas'.




Kleide Teixeira
Kleide Teixeira
Roteiro de Eduardo Varandas ganhou o primeiro lugar no prêmio Walfredo Rodriguez da Ancine em 2016

A paixão pelo cinema e a constante luta pelos direitos humanos levaram o procurador federal Eduardo Varandas a encarar os desafios de uma produção cinematográfica. Com o curta-metragem "Hosana Nas Alturas", Eduardo estreia como roteirista e diretor. A produção trata da temática dos direitos humanos dos transgêneros, além do fundamentalismo religioso, e deve ser finalizada em abril.

Apesar de ser a primeira incursão do procurador no cinema, o roteiro produzido por ele já foi premiado. Em 2016, o roteiro ganhou o primeiro lugar no prêmio Walfredo Rodriguez, promovido pela Agência Brasileira de Cinema (Ancine). "Eu sempre fui um admirador do cinema e sempre quis participar da produção de filmes, não como ator, mas pro trás da câmeras", afirma Eduardo Varandas.

O filme atualmente encontra-se na fase de pós-produção, quando são feitos alguns ajustes na finalização. Durante toda a produção, Varandas manteve a preocupação que os valores da Paraíba fossem destacados. Todo o filme foi rodado no estado e conta com a equipe composta totalmente por paraibanos.

"Hosana Nas Alturas" conta a história de Hosana, interpretada por Nyka Barros, uma travesti que trabalha como prostituta e não compreende o motivo pelo qual é rejeitada por igrejas cristãs. Por outro lado, há Normando, interpretado por Daniel Porpino, que é um homem que não aceita o fato de ser homossexual. No curta, o dois se encontram em uma boate gay e a partir deste momento, o destino de ambos é mudado para sempre.

Escrever o roteiro foi um verdadeiro desafio para Eduardo Varandas, que buscou inspiração em seus filmes favoritos para aprender as técnicas da escrita de um roteiro. "Busquei o roteiro de filmes como E.T. - O Extraterreste e Tubarão, além de algumas produções nacionais e do cinema francês", diz Eduardo.

A produção do curta é assinada pela Canários Filmes. Já Varandas é o responsável pelo roteiro do filme e pela co-direção juntamente com Kennel Rogis e Thyego Lopes. No elenco, estão Nyka Barros, Daniel Porpino, Tavinho Teixeira e Glaydson Gonçalves. A trilha sonora, que é completamente original, teve a direção de Renato Oliveira e conta com a musicalização do poema "Eu" de Florbela Espanca na voz da cantora paraibana Mira Maya e instrumentais do DJ paraibano Iordan Moura.

Conforme Varandas, o curta-metragem deve primeiramente ser exibido em festivais nacionais e internacionais. Em seguida, um projeto será estudado junto com a equipe como uma forma de a produção ser massificada, sendo exibida, possivelmente, em plataformas de streaming. Para o futuro, Eduardo afirma que não pretende abandonar o cinema e que dedicará os tempos livres de sua atividade como procurador federal do trabalho para concretizar outras obras de cinema experimental.