Cultura

Elba Ramalho retoma campanha com show contra legalização do aborto

Cantora integra Movimento Pró-vida e diz que salvou mais de 300.



Divulgação
Divulgação
Elba Ramalho diz que liberar o aborto é abrir precedente complicado, pois não é 100% seguro

A cantora Elba Ramalho retoma, em 2017, a cruzada contra a legalização do aborto, participando de um show no dia 22 de janeiro, na praia de Boa Viagem, em Recife (PE). Também estarão no evento o cantor Nando Cordel, artistas e membros da Rede Pró-Vida.

O objetivo do evento, que será realizado no mesmo dia em cárias capitais do país, é pressionar o Supremo Tribunal Federal (STF) contra a legalização do aborto até o terceiro mês de gestação, que há vários anos vem sendo discutido na corte.

300 salvos

Em recente entrevista à Revista Época, Elba Ramalho disse que passou pela experiência do aborto e revelou que existe sempre uma sequela que fica. Segundo ela, tem gente que toma drogas ou tenta o suicídio para esquecer.

“Liberar o aborto é abrir um precedente complicado: uma sociedade que investe contra a própria espécie. São crianças inocentes no ventre de uma mãe. No Movimento Pró-vida já salvamos mais de 300. Conheço a indústria do aborto e sei que é lucrativa. E não existe aborto 100% seguro. Até onde é legalizado morre gente. A humanidade vai tentar se autodestruir até chegar à boca do precipício”, afirmou Elba.

Caso no STF

Em novembro de 2016, a decisão da primeira turma do STF de que praticar aborto nos três primeiros meses de gestação não é crime criou um precedente para que juízes deem sentenças equivalentes em outros processos sobre o aborto, mas isso não descriminaliza a prática no Brasil.

Isso porque a decisão não foi tomada pelo plenário do STF como um todo, o que teria dado força de lei à medida. O julgamento foi feito por uma turma formada por cinco dos onze ministros do Supremo. Pela primeira vez, o Supremo descriminalizou a interrupção voluntária da gestação.