Cultura

Fãs lotam salas para ver 'Animais Fantásticos e Onde Habitam'

Fãs acompanharam retorno ao mundo de J.K. Rowling; leia crítica.



Glauber Travassos
Glauber Travassos
Fãs lotaram cinema para conferir retorno ao mundo de J.K. Rowling após cinco anos de espera.

Centenas de fãs se reuniram em um cinema de João Pessoa na madrugada desta quinta-feira (17) para celebrar a pré-estreia de 'Animais Fantásticos e Onde Habitam', primeiro filme da série derivada de 'Harry Potter' e que marca a estreia da escritora J. K. Rowling como roteirista. Três salas de cinema foram reservadas para as sessões do filme, exibido à meia noite.

Fãs se aglomeravam na entrada do cinema desde as 20h; muitas utilizavam cosplays em homenagem aos personagens que marcaram sua infância. A ansiedade nas filas de espera era traduzida na expectativa dos fãs. "É muito interessante conhecer o universo bruxo para além da Inglaterra, já que o filme se passa nos Estados Unidos. Estou muito animada para isso", diz a designer de interiores Priscila Melo, de 24 anos.

Para a estudante Kelly Lopes, de 19 anos, a abordagem da conturbada relação entre Alvo Dumbledore, já conhecido dos fãs, e o novo antagonista Geraldo Grindewald é o maior atrativo da nova série. "Gostaria muito também de ver detalhes sobre a escola de bruxaria do Brasil", acrescenta.

O spin-off tem direção de David Yates e traz o ator Eddie Redmayne como Newt Scamander, um excêntrico magizoologista que vai até Nova York para catalogar animais fantásticos.  Diferente da comunidade bruxa inglesa, a norte-americana é muito mais temerosa da exposição ao público e, quando as criaturas que Newt carrega conseguem fugir de sua maleta, o mundo bruxo americano entra em alerta para a possibilidade de que eles sejam expostos à sociedade não-bruxa.

Além do filme em si, o evento se transformou num reencontro de fãs que cresceram acompanhado juntos as estreias da série Harry Potter. "É uma celebração de fãs veteranos com os novos", diz Rodolfo Lima, de 26 anos, que organizou um evento de recepção para os fãs. "Essa sensação de ter todo mundo junto novamente é muito emocionante", afirma.

A opinião é compartilhada pela estudante Samla Amorim, de 21 anos. "São pessoas com as quais crescemos juntos e que acabaram se separando depois que Harry Potter acabou, então é uma grande emoção ver todos reunidos outra vez", conta.

Filme é retorno bem-sucedido ao mundo mágico

'Animais Fantásticos e Onde Habitam' marca um triunfante retorno ao universo criado por J.K. Rowling cinco anos após o lançamento de 'Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 2'. Ao contrário da série Potter, que tornou-se mais obscura ao longo dos filmes, 'Animais Fantásticos' já lida com temas como preconceito, autoaceitação, intolerância e segregação e deve agradar até aqueles não familiarizados com o universo de Rowling.

As questões sociais que a escritora pretende evocar nessa primeira parte (de cinco longas planejados) é, entretanto, envolta pela busca divertida e um tanto despretensiosa aos animais que dão título ao filme. Além das criaturas, chama a atenção a relação entre os quatro protagonistas, capaz de conquistar a simpatia do público logo nos primeiros minutos. Apenas o subplot entre Newt e Tina (Katherine Waterston) parece um tanto apressado e fora de lugar.


Entretanto, é o não-bruxo Jacob Kowalski (Dan Fogler) quem rouba a cena com seu carisma e autenticidade. Longe de cair no estereótipo da personagem voltada apenas para alívio cômico, Jacob funciona quase como um espelho do espectador - e talvez por isso se torne tão atraente: por não conhecer o mundo bruxo, suas reações de surpresa e encantamento diante do que vê são as mesmas de grande parte dos espectadores nas salas de cinema.

'Animais Fantásticos' é uma introdução promissora para uma série que promete revisitar um mundo amado por muitos ao mesmo tempo em que lida com questões sociais e políticas cada vez mais atuais; tudo indica que os próximos capítulos serão, assim, ainda mais mágicos.