Cultura

Grupo funde Beatles com Chico, Gonzagão e choro no Sabadinho Bom

Diogo Guanabara e Macaxeira Jazz, do Rio Grande do Norte, se apresenta a partir das 11h na Praça Rio Branco.



Divulgação
Divulgação
Formado há dez anos, o quarteto potiguar tem carreira pautada pela diversidade

O Sabadinho Bom deste sábado (16) será embalado por uma curiosa mistura de ritmos. Com influências das mais diversas, o grupo instrumental Diogo Guanabara e Macaxeira Jazz (RN) mostra seu caldeirão de sons no palco do projeto a partir das 12h30, na Praça Rio Branco, em João Pessoa. O acesso é gratuito.

Formado há dez anos, o quarteto potiguar tem carreira pautada pela diversidade, partindo do jazz com forte sotaque brasileiro. Já gravou disco autoral, versões para músicas dos Beatles e um álbum inteiramente dedicado aos compositores de choro do Rio Grande do Norte.

É um pouco de cada vertente do trabalho que o DGMJ traz a João Pessoa em sua estréia na cidade. “A gente sempre quis tocar em João Pessoa. Afinal, embora Natal seja muito perto daí, a gente ainda é bastante desconhecido na cidade”, comenta o líder do grupo, Diogo Guanabara.

Guanabara (bandolim, violão) vem acompanhado por Henrique Pachêco (baixo), Raphael Bender (bateria) e Ticiano D’Amore (guitarra) para fazer um repertório instigante: prometem juntar Beatles e Chico Buarque ao entrosar ‘Michelle’ com ‘Fado tropical’, da mesma forma que encontram par entre os Garotos de Liverpool e o grande Luiz Gonzaga ao unirem ‘Blackbird’ com ‘Assum preto’.

O repertório também passeia por alguns dos autores que eles gravaram no ‘Choro Potiguar’ (2013), como João Juvanklin, Tico da Costa, Chico Elion e K-Ximbinho, além de músicas autorais, tanto faixas do CD ‘Capanga’ (2009), como algumas inéditas que estarão no próximo disco, provisoriamente intitulado ‘Matura’.

Diogo Guanabara, que chegou a tocar, solo, em um Seis e Meia e participar de alguns eventos na capital paraibana, conta que no show deste sábado, ele e o Macaxeira Jazz fazem um grande passeio pela música instrumental brasileira. “Tocamos Egberto (Gismonti), Hermeto (Pascoal) e até ‘Feira de Mangaio’(de Sivuca e Glorinha Gadelha), além dos clássicos ‘Noites cariocas’, ‘Um a zero’ e ‘Lamento’”, afirma.