Cultura

Bob Dylan volta a cantar Sinatra, mas prefere fazer da sua maneira

"Fallen Angels", que chega às lojas nesta sexta-feira, traz alguns sucessos do repertório sinatriano e revisita matrizes da música americana. 



Divulgação
Divulgação
Pela segunda vez, Bob Dylan interpreta o repertório de Sinatra. A primeira foi no ano passado

Bob Dylan lança seu novo disco nesta sexta-feira (20). “Fallen Angels” (Sony Music) traz clássicos do cancioneiro americano gravados por Frank Sinatra. É a segunda vez que Dylan se debruça sobre o repertório de Sinatra. A primeira foi em “Shadows in the Night”, de 2015.

Dylan perdeu a condição vocal há mais de duas décadas. Portanto, ninguém espere que seus tributos a Sinatra estejam à altura do maior cantor popular do século XX. A ideia não é essa. O que Dylan pretende ao inserir as canções no seu repertório é outra coisa.

Revisitando standards sinatrianos, Bob Dylan não está cantando The Voice. Ele está voltando às fontes, às matrizes da música americana. Fazendo parecido com o que o nosso João Gilberto faz quando canta velhos sambas obscuros e os deixa praticamente nus.

“Fallen Angels” foi gravado nos estúdios da Capitol Records, onde Sinatra fez seus melhores discos nos anos 1950. O repertório é diferente do de “Shadows in the Night”, quase todo de lados B. Tem canções muito populares como “All the Way”, “That Old Black Magic” e “Come Rain or Come Shine”.

Quando saía do seu mundo para cantar Beatles, ou Stevie Wonder, Sinatra fazia do seu modo. Quando abre mão do repertório autoral para cantar Sinatra, Dylan também faz do seu jeito. Continua Dylan.