Cultura

Professor da rede estadual ganha concurso Augusto dos Anjos

Na premiação anunciada pela prefeitura de Sapé, bancária ficou em segundo lugar e estudante de letras, em terceiro.



Reprodução
Reprodução
Augusto dos Anjos, o poeta do "Eu", dá nome a concurso de poesia da Prefeitura de Sapé

A Prefeitura Municipal de Sapé divulgou os vencedores do 2° Concurso de Poesia Poeta Augusto dos Anjos. Um professor, uma bancária e um estudante de letras foram os três primeiros colocados, segundo o secretário executivo de Cultura do município, Jairo Cezar.

O concurso de poesia foi criado no ano passado através de um edital de literatura. A realização é da Secretaria Executiva de Cultura, Esporte e Lazer.

O primeiro colocado, com “Poemobiographias”, é o professor da rede estadual Antônio Trajano de Lira Júnior. Ele vai receber R$ 500,00. Em segundo lugar, com “Desequilíbrio”, ficou a bancária Yvana Kelly Farias de Oliveira. E em terceiro, com “O menino oculto”, o estudante de letras Allan de Oliveira Falcão da Silva. Os dois receberão R$ 250,00.

Confira os poemas vencedores do concurso Augusto dos Anjos

1° lugar
POEMOBIOGRAPHIAS
O meu poema pó
sem eira
nem beira
foi varrido
igual resto de lixo
pra debaixo do tapete
O meu poema
lírico
tão ridículo

foi lírio
que antes de ser lido
murchou
O meu poema
amador
fez um trocadilho pobre
de verbo
com substantivo
O meu poema
mais louvado
foi lavado
e
passado
jaz no guarda-roupa
O meu poema
de vanguarda
aguarda
a bondade crítica
dum anjo da guarda
O meu poema
noiado
bebeu fumou cheirou

foi interno e internado
mas nunca mais se reabilitou.

2° lugar
DESEQUILÍBRIO
equilíbrio
cinquenta e cinco mantras
música clássica
som das águas
cachoeira
correnteza
tristeza
chuá chuá
paz paz
a paz invadiu o meu coração
tocou Gil na radiola
um vinil de raridades
equilíbrio
yoga cinema poesia prosa
cinquenta e cinco mantras
repetidos
mastigados cansados

os ensinamentos de Buda
ou de Cristo
conclama o babalorixá
sentar por horas no telhado
gato cachorro gato
roçando a minha perna
equilíbrio
equilibrista de circo
um palhaço
dois palhaços no sinal
três elefantes incomodam muita gente
incomodam incomodam incomodam
filme triste desfecho dramático
traumático
faço malabares com o silêncio
cinquenta e seis mantras repetidos
e mais tantas tentativas
frustradas
lexotan
rivotril
diazepan
equilíbrio

equilíbrio
equilíbrio
um tiro explode no espaço.

3° lugar
O MENINO OCULTO
Enterrado em uma canastra de ouro
Todos os seus júbilos, tantas vezes expostos a nu
pela corja-vã vestidos em suas belas casacas.
A muito de seu esmurrado sobrenome esquecido.
O menino oculto por detrás das flores, tem os olhos
Escondidos para não ver o mundo.
Tem na voz o grito que no céu espanta o sabiá.
Sua Musa; Dulcinéia Quixotesca.
Seu confessionário; Abóbada estrelada.
Profana empíreos em cada pensamento.
Traz entres as têmporas, os poros dos sonos
de mil anteriores pecaminosas vidas superpostas.
Perdido seu barco no meio do deserto,
Viaja pelos mares montado num cavalo alado,
Devaneando submarinos de aquários
E peixe de estátuas.

O menino oculto por detrás das flores
É seu próprio Deus de seu próprio universo.