Cultura

Morre o jornalista e poeta Orlando Tejo, em Recife, aos 83 anos

Jornalista e poeta, paraibano faleceu em Recife; corpo vai ser sepultado em João Pessoa.




O jornalista, poeta e bacharel em Direito, Orlando Tejo, de 83 anos, morreu na madrugada deste domingo (1º), em Recife (PE). Ele era acometido de insuficiência pulmonar crônica e, há 15 anos, sofria com Alzheimer. O velório e o enterro vão ocorrer, nesta segunda-feira (2), em João Pessoa, em local e horário que serão definidos.

Segundo a jornalista Cristiana Tejo, filha de Orlando, o pai faleceu por volta das 3h30. Orlando Tejo nasceu, em Campina Grande, em 1935, onde trabalhou na Rádio Caturité e, depois, paraibanos. Depois, mudou-se para Recife, onde morava há várias décadas. Ele deixa três filhos e vários netos

Zé Limeira, o poeta do absurdo

As publicações de sua autoria são “Conceição 63”, “Impasse”; “Soneto dos dedos que falam”, e “Zé Limeira: O Poeta do Absurdo”. Orlando Tejo apaixonou-se pela cantoria ainda menino. Quando começou a trabalhar na Rádio Caturité. Já com o AI-5, em 1968 e 1969, suas colunas nos jornais da Paraíba e de Recife  tinham que vir sem a sua assinatura.

Enquanto isso ele pesquisava principalmente a vida e obra do poeta Zé Limeira, o poeta do absurdo “tropicalista rude, que trouxe a vocação do fantástico. O único surrealista bárbaro perdido nos sertões do Nordeste.” Foi por meio do seu parceiro de Rádio Universitária, José Rômulo Mesquita Martins que Orlando conheceu os versos estrambóticos de Zé Limeira.

Orlando cantava desde os 13 anos. Conheceu Zé Limeira aos 15 quando passava na rua e ouviu uma voz inusitada ao som de uma viola. Junto com o cantador Cícero Vieira mais conhecido como Mocó, lá estava Zé Limeira. Tejo teve a oportunidade de apresentar seu trabalho e aprender novos ritmos e estilos musicais.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.