Cultura

Gravidez fez Ivete cantar baixinho, “com voz rouquinha”

‘Percebi uma mudança, minha voz ficou mais porosa, mais rouquinha’. Gravado durante primeira gestação, novo disco tem momentos intimistas.




Do G1

A cantora Ivete Sangalo reuniu 150 jornalistas de todo o país na tarde desta terça-feira (2), no Yatch Club, em Salvador, para o lançamento de seu novo álbum, “Pode entrar”. O disco foi gravado em 12 dias, em outubro de 2008, no estúdio recém-montado no apartamento da artista, no bairro do Campo Grande, com convidados que incluem Maria Bethânia, Marcelo Camelo, Lulu Santos, Carlinhos Brown, Saulo Fernandes, da Banda Eva, e a banda Aviões do Forró.

Eclético, o novo disco começa com xote, passa pelo forró, tem baladas, soul, reggae e algumas canções com pegada roqueira. Uma das surpresas é ver Ivete cantando baixinho, como o conterrâneo João Gilberto.

A voz mais suave, segundo ela, veio durante a primeira gravidez, que terminou em aborto natural, mas estava em curso durante a gravação de “Pode entrar”. “Percebi uma mudança na minha voz. Ela ficou mais porosa, mais rouquinha, o que chamamos de ‘voz de cabeça’, bem menos gutural”, disse a cantora, que espera novamente bebê, para daqui a quatro meses.

Os bastidores da gestação de “Pode entrar” foram registrados em DVD, que, além das gravações, mostra intervalos nos quais os convidados fazem passeios tradicionais pela capital baiana.

“O importante não é meu DVD, é a entrada de Bethânia”, brincou Ivete, quando questionada sobre a expectativa dela e dos outros convidados em torno da participação de Maria Bethânia nas gravações. “Ela é uma mulher que acentua a palavra Bahia com todas as letras”, elogiou, depois de revelar que, ainda criança, cantava no chuveiro as músicas da artista.

O disco inclui ainda “Cadê Dalila” (Carlinhos Brown/Alain Tavares), hit do último carnaval, com acordes orientais. Brown também está presente cantando “Quanto ao tempo” (parceria dele com Michael Sulivan). “É a oportunidade de os meus fãs conhecerem Brown em uma condição diferente da habitual”, disse Ivete.

Na entrevista, a cantora também se declarou obcecada pela banda Aviões do Forró e contou que decidiu homenageá-la para não repetir o erro do passado, quando colegas não reverenciaram a arte de Jackson do Pandeiro. Lulu Santos, por sua vez, foi escolhido pela "visceralidade" com que se doa para a música.

A produção de "Pode entrar" foi feita antes da gravação, com troca de arquivos via internet entre a banda e os convidados.

Tudo em casa

Alexandre Lins, diretor artístico e produtor musical de “Pode Entrar”, disse ao G1 que “Ivete é um verdadeiro reality show. Ela provoca muita coisa bacana de ser registrada apenas sendo espontânea”.

Um dos momentos mais divertidos de “Pode entrar”, o DVD, é quando Marcelo Camelo é recepcionado por uma funcionária da casa da artista, Sandra. Fã do hermano, a moça canta o refrão de “Ana Júlia” e abraça o cantor.

Marcelo Camelo é um “queridão”, explica Ivete, um amigo que a leva para cantar baixinho, sentada no chão, em clima que mescla bossa nova e surf music. “É óbvio, uma pessoa que compõe do jeito dele tem um coração enorme”, disse a baiana, sobre o fato de ele conhecer todo seu repertório.

O DVD traz ainda Ivete cantando com a irmã Mônica San Galo, depois de um momento familiar na varanda do apartamento. “Querem palco mais adequado para ela do que um estúdio na minha casa?”, brinca.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.