Cultura

Fest Aruanda 2018 começa nesta quinta com foco em filmes que falam de música

Abertura vai contar com o longa ‘Todas as Canções de Amor’. Exibições acontecem no Cinepólis.




Filme ‘Todas as Canções de Amor’ abre o festival (Foto: Divulgação)

Com um foco especial em filmes que falam de música e contando com a estreia de três longas paraibanos na programação, começa nesta quinta-feira (6) a 13ª edição do Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro. O evento vai espalhar cinema por João Pessoa durante uma semana, tendo uma programação gratuita, que além dos filmes, tem também debates e oficinas.

As sessões de exibição do Aruanda acontecem em duas salas do Cinépolis, no Manaíra Shopping. O público precisa chegar um pouco mais cedo para retirar os convites na bilheteria. As oficinas e as homenagens do evento ocorrem em um hotel no Cabo Branco, e as mesas de discussões na Usina Cultural Energisa.

A solenidade de abertura está marcada para as 19h30, no Cinépolis. O festival vai começar com uma homenagem do Centro de Pesquisadores do Cinema Brasileiro (CPCB) ao jornalista, pesquisador e escritor paraibano Wills Leal que receberá o Troféu Memória Viva do Cinema PB da professora Marília Franco, da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP).

Na sequência vai ser exibido o curta-metragem ‘Ary Barroso – Ele Era Assim, da diretora Angela Zoé, que não concorre no festival. Logo depois é a vez do longa-metragem ‘Todas as Canções de Amor’, que também não está na mostra competitiva. Dirigido por Joana Mariani, o longa tem no elenco Bruno Gagliasso, Júlio Andrade, Luiza Mariani e Marina Ruy Barbosa, que estreia nos cinemas. (veja o trailer abaixo)

Também estão na programação do festival o longa ‘Simonal’, cinebiografia de Wilson Simonal, e os documentários ‘Adoniran’ e  ‘Clementina’, sobre os músicos Adoniran Barbosa e Clementina de Jesus, entre outros.

>> A programação completa pode ser conferido no site oficial do Fest Aruanda

O Fest Aruanda começou como uma mostra em 2003, dentro da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Em 2005 se tornou um festival e tem registrado crescimento ano a ano. Segundo os organizadores, o festival recebeu em 2018 um número recorde de inscrições de obras interessadas em participar da mostra, com 521 filmes entre curtas de ficção, documentários e filmes de animação inscritos. Ao todo, serão exibidos 21 filmes, sendo 13 ficções e 8 documentários.

“É um momento de coroamento desse processo, desse trabalho de formiguinha, e com uma projeção nacional muito importante, com o festival como referência no cenário brasileiro”, afirmou o produtor executivo do Aruanda, Lúcio Vilar.

Estreia de paraibanos

O Fest Aruanda em 2018 vai ter ser um momento especial para o cinema paraibano, pois nada menos do que três longas-metragens feitos no estado vão estrear no evento: ‘Beiço de Estrada’, de Eliézer Rolim; ‘O seu amor de volta- Mesmo que ele não queira’, de Bertrand Lira; e ‘Ambiente Familiar’, de Torquato Joel. Os três estão na disputa da Mostra Competitiva Sob o Céu Nordestino, junto com ‘Sol Alegria’, de Tavinho Teixeira e Mariah Teixeira.

“A gente pode dizer que temos um momento especial, por conta da produção paraibana ter atingido, quantitativamente falando, e também do ponto de vista estético, uma visibilidade maior. Temos seis longas prontos e um engatilhado para 2019”, afirma Lúcio Vilar.

Homenageados

O ator, chargista e humorista Cristovam Tadeu, morto ano passado, vai ser homenageado no dia em que será exibido ‘Beiço de Estrada’, seu último trabalho. (veja o trailer abaixo)

Outros homenageados desta edição são os atores Chico Diaz e Patrícia Pillar, que também é diretora, pelo conjunto da obra. O cineasta Roberto Farias, que morreu este ano, vai receber uma homenagem póstuma. O evento vai ser encerrado com o filme ‘Roberto Carlos a 300 km por hora’, dirigido por ele.

 


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.