Cultura

Designers criam biquínis para mulheres que fizeram mastectomia

Marca busca empoderar as mulheres que tiveram câncer de mama.



Monokini 2.0
Monokini 2.0
Enquanto muitas mulheres optam por fazer cirurgia reconstrutiva após a retirada da mama, Elina escolheu aceitar o novo corpo

As designers finlandesas Katriina Haikala e Vilma Metteri reiventaram na modelagem de biquínis para beneficiarem mulheres que tiveram câncer de mama e realizaram a operação de mastectomia. O projeto, intitulado Monokini 2.0, tem o objetivo de reafirmar a autoestima dessas mulheres e remontar a visão do público em relação à beleza e aparência física delas.

Como o slogan "quem disse que você precisa de dois?" do projeto entrega, os monoquinis buscam devolver a liberdade e a segurança das mulheres que passaram pela agressividade da doença. O nome foi inspirado na criação dos anos 1960 do designer Rudi Gernreich. O austríaco desenvolveu o monoquini que era um maiô com cortes laterais, deixando os seios da mulher a mostra.

A dupla de finlandesas se inspirou em Elina Halttunen, uma mulher diagnosticada com câncer de mama que precisou passar pelo procedimento de mastectomia. Enquanto muitas mulheres optam por fazer cirurgia reconstrutiva após a retirada da mama, Elina escolheu aceitar o novo corpo. Quando precisou comprar um biquíni, porém, não encontrou um modelo adequado para a condição em que estava.

Elina, primeira modelo do projeto, afirmou "eu não quero esconder, eu não quero parar de nadar, eu não quero me submeter cirurgias plásticas e eu não quero ser forçada a usar próteses desconfortáveis para ir a praia. Eu só quero me sentir livre e ativa como eu era antes do câncer e o Monokini 2.0 me deu essa chance".


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.