Concursos e Empregos

Apesar da crise, saiba como garantir vaga no mercado de trabalho

Ofertas de emprego são divulgadas toda semana pelos Sistemas Nacionais de Emprego (Sines) de João Pessoa e da Paraíba.



No meio da crise política e econômica pela qual o Brasil passa, o cenário de desemprego preocupa. Para se ter uma ideia, dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego, mostram que mais de 6,6 mil postos de trabalho foram fechados na Paraíba em fevereiro deste ano. No total, 166 mil pessoas com mais de 14 anos estão desempregadas no Estado, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Contudo, ofertas de emprego são divulgadas toda semana pelos Sistemas Nacionais de Emprego (Sines) de João Pessoa e da Paraíba.

A quantidade de vagas oferecidas semanalmente varia mas, em média, são 250 postos de trabalho oferecidos pelos dois sistemas, com diferentes exigências de experiência e de nível de escolaridade.
No Sine João Pessoa, no bairro de Varadouro, na capital, o sistema oferece oportunidades para todos os níveis de escolaridade. “A maior parte das vagas, entretanto, é para candidatos que tenham pelo menos o ensino médio completo”, destaca a gerente de mão de obra do sistema, Lílian Pereira. Apesar disso, oportunidades para pessoas com ensino fundamental, como cozinheiro, mecânico e trabalhos em cargos técnicos, também são comuns.

As ofertas para candidatos com ensino médio também são maioria no Sine-PB,  no Centro da capital, como afirma o gerente executivo do órgão, Upiraktan Santos. “Entre 60% e 70% das vagas são de nível médio, como operador de telemarketing e cargos no comércio”, detalha. “Mas também temos uma disponibilidade razoável para pessoas com nível superior; já empregamos, por exemplo, administradores, farmacêuticos, nutricionistas, entre outros”, pontua.

Com o crescimento do desemprego, em ambos os Sines, foi verificado aumento na procura por vagas. Apesar disso, no Sine-JP alguns postos de trabalho permanecem em aberto por incompatibilidade entre o candidato e a vaga. “Alguns cargos demoram mais a ser preenchidos porque há a dificuldade de localizar o trabalhador adequado pra determinada função, com os requisitos que a empresa pede”, explica Lílian.

No Sine-PB, por sua vez, dificilmente sobram postos em aberto no fim da semana. “Temos um cadastro que geralmente supre toda a oferta semanal”, afirma Upiraktan. Segundo ele, cerca de mil pessoas procuram o sistema toda semana. “Nem todas elas são para cadastro de empregos; uma parte procura serviços como seguro-desemprego, dentre outros”, ressalta. Apesar disso, a quantidade de postos ofertados ainda é insuficiente para suprir toda a demanda.

Sistemas oferecem capacitação
 

Associada à alta procura, a redução de oferta de vagas é percebida nos dois sistemas e atribuída ao cenário econômico pelo qual o país passa atualmente. Para aumentar as chances de contratação do trabalhador, ambos os Sines oferecem cursos de capacitação e orientação aos candidatos.

No Sine-JP, o programa Sine nos Bairros leva serviços do órgão a bairros da capital. Nos eventos são oferecidos além do cadastramento em vagas de emprego, capacitações que orientam sobre como se comportar em entrevistas de emprego e otimizar o currículo. As próximas edições do programa serão realizadas na próxima quarta no Centro de Referência de Assistência Social (Cras) do bairro de Gramame; e no dia 20 de no Centro de Referência da Juventude (CRC) do Alto do Mateus.

Com objetivos semelhantes, o Sine-PB firmou parceria com o Sistema S (instituições como o Senac e o Sesc) para capacitar os candidatos. “Já encaminhamos cerca de 200 pessoas para cursos de telemarketing, recursos humanos, recepcionista, dentre outros”, diz Upiraktan Santos.

Para se cadastrar e participar das capacitações de ambos os Sines, é necessário que o candidato compareça à sede dos órgãos com RG, CPF, Carteira de Trabalho e currículo.