Concursos e Empregos

Segredo para sucesso em concursos é persistir, diz especialista

Apesar das medidas anunciadas pelo Governo Federal esta semana, que incluem a suspensão de seleções para 2016, concurseiros devem manter a rotina de estudos.



Divulgação
Divulgação
Especialista afirma que existem dois grupos de concurseiros: o envolvido e o comprometido

A notícia no início da semana de que os concursos federais seriam suspensos abalou as estruturas de muitos concurseiros. No dia seguinte, no entanto, o Ministério do Planejamento soltou uma nota que acalmou um bom número dos candidatos: os concursos que já haviam sido autorizados para este ano, como o do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e o da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), continuam mantidos.

De acordo com a reitora da UFPB, por exemplo, a expectativa é de que o edital do certame seja lançado nos próximos 15 dias. Depois de tantas expectativas, no entanto, de que esse edital seria lançado, muitos já perderam as esperanças. Especialistas, porém, advertem: os concurseiros devem continuar sua rotina de estudos. Isso, aliás, poderá garantir a aprovação.

De acordo com o especialista em concursos Rodrigo Andrade, existem dois grupos de concurseiros: o envolvido e o comprometido. "Se você tá somente envolvido, você simplesmente vai entrar na onda e dizer que o edital foi publicado e vai estudar. Mas não faz revisões, não busca conteúdos, não entra nos cursinhos preparatórios. Simplesmente paga a inscrição e vai lá fazer a prova. Se aparecer uma festa para você ir na véspera da prova, você abandona tudo para poder ir à festa. Mas se você estiver comprometido, parabéns. Você está no caminho certo para ser aprovado", comenta.

Segundo ele, os alunos comprometidos são aqueles que, apesar dos obstáculos, continuam estudando. "Eles não entram nessa onda de crise. Têm um objetivo certo nas suas cabeças", afirma. E complementa: "Afinal, o concurseiro tem que se lembrar que passar em um concurso público não é algo que se consegue de uma hora para outra. Existe um tempo de maturação e esse tempo pode chegar a até dois anos. É um tempo de reprovações. Cada reprovação vai mostrar ao candidato qual o calo que não está permitindo que ele seja aprovado. E a partir desse calo que ele vai poder se aperfeiçoar".

Um ponto fundamental para um concurseiro comprometido, segundo ele, é o planejamento. É essencial para o concurseiro que ele faça um cronograma para que saiba quais os passos que tem que dar para chegar à tão desejada aprovação. "Se você visualiza que o concurso é um projeto de vida, um projeto de vida precisa de um planejamento", pontua Rodrigo.

No caso do candidato estar se preparando para um concurso cujo edital ainda não tenha sido lançado, ele pode utilizar o chamado "edital-guia", que é o edital do último concurso realizado pelo órgão. "Ele vai servir de referência para que você possa saber o conteúdo que foi cobrado, a exemplo do INSS e o da UFPB", explica o especialista. Mesmo que o edital posterior, que venha a ser lançado, sofra mudanças, ao menos com o conteúdo básico você já está garantido.