Concursos e Empregos

Ler bem o edital do concurso pode fazer a diferença no resultado

Ficar atento aos prazos, conteúdos e aos requisitos necessários para investidura no cargo, é fundamental, é o que dizem os especialistas.

Herbert Clemente Herbert Clemente
Especialistas advertem: embora muitos candidatos analisem apenas o item 'remuneração', a leitura do edital deve ir muito além disso

Ler o edital do concurso de forma atenta é o primeiro passo para se garantir uma aprovação. Isso porque caso alguns 'detalhes' passem despercebidos, o candidato pode acabar perdendo tempo, estudo e dinheiro. Ficar atento aos prazos, conteúdos programáticos e, principalmente, aos requisitos necessários para investidura no cargo, é fundamental, é o que dizem os especialistas.

O edital dos concursos públicos é o que se pode chamar da lei dos concursos. "É o regulamento do certame. Nele estão estabelecidas as regras que o candidato deverá cumprir, os requisitos para poder prover a vaga, as informações sobre as provas e sobre o conteúdo a ser estudado", afirma o coach em concursos Alessandro Marques, acrescentando, ainda, que ler o edital é fundamental para o candidato saber como se preparar.

Independente de qual seja a banca organizadora do certame, é necessário que os documentos tenham as mesmas informações, respeitando os princípios constitucionais de publicidade e isonomia. É o que diz a coach em concursos Letícia Nobre, da SOS Concurseiro. Nele, portanto, devem estar presentes informações como cargos e número de vagas oferecidas, forma de inscrição, valor e prazo, data das provas (ou anúncio de que será divulgado posteriormente), conteúdo programático para todos os cargos e funções, regras para isenção e/ou cotas, pré-requisitos de candidatura e critérios de seleções de cada etapa.

Sua leitura deve ser de forma atenta. E especialistas advertem: embora muitos candidatos que decidem prestar concursos analisem apenas o item 'remuneração', a leitura do edital deve ir muito além, de uma forma completa e criteriosa.
Um item extremamente importante, no entanto, e que muitas vezes passa despercebido, são os requisitos para prestar o concurso. "Há certames, por exemplo, que a área administrativa não pede formação específica em administração, mas sim qualquer curso de nível superior. Mas, por falta de critério ou de paciência para leitura, muitas pessoas não fazem o concurso achando que, por não possuir a formação em administração, não pode prestar o concurso. Certamente que há concursos solicitando formação específica, mas há muitos outros que não a solicitam. Então deve-se ler com critério", afirma o professor Fabiano Vieira, da Aprova Concursos.

Além desse 'detalhe', os candidatos devem estar atentos aos prazos de inscrição e pagamento dos boletos. "A inscrição deve ser feita com antecedência, não deixando para o último dia, pois, como se trata de internet, pode ser que devido ao grande tráfego ou qualquer outro problema não seja possível fazer a inscrição nas últimas horas do prazo", diz o professor. Há, ainda, o horário de fechamento dos portões. "Sempre indico aos alunos que cheguem com bastante antecedência. Uma antecedência tal que possibilite estacionar o carro, se for o caso, uns cinco ou seis quarteirões de distância para que o candidato possa ir a pé até o local, sem perder o horário de fechamento dos portões. Digo isto porque vejo muitos concurseiros insistindo em encarar o 'stress' de filas intermináveis de veículos para poder estacionar o carro dentro do local do concurso. Devemos evitar 'stress desnecessário', explica.

Um outro ponto que merece atenção dos candidatos é o fato de que, durante o decorrer do processo seletivo, podem ser divulgados os chamados "editais de retificação", que muitas vezes alteram o período de inscrição ou, também, o conteúdo programático que será cobrado.

Lei reserva 20% das vagas para negros

Com a entrada em vigor da lei que reserva 20% das vagas nos concursos públicos da União para candidatos negros, no ano passado, diminuiu o número de vagas para quem compete na ampla concorrência. "Assim, aumentou a competitividade, tendo o candidato que obter uma nota cada vez mais alta para ser aprovado dentro das vagas", afirma Alessandro Marques, da Coach Concursos.

A reserva de vagas valerá para concursos destinados à administração pública federal, a autarquias, fundações públicas, empresas públicas e sociedades de economia mista controladas pela União, como Petrobras, Correios, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil. O texto não estende as cotas ao Legislativo, Judiciário nem a órgãos públicos estaduais ou municipais. O Senado, no entanto, decidiu instituir cota de 20% para negros e pardos nos concursos públicos e contratos de terceirização da Casa.

A nova regra prevê reserva somente em concursos públicos que ofereçam três ou mais vagas e não se aplicará a certames cujos editais tenham sido publicados antes da vigência da lei. O texto também determina que os editais terão de informar de forma "expressa" o total de vagas correspondentes à cota para cada cargo ou emprego público oferecido.