Concursos e Empregos

Vida é produtiva após os 50 anos

Mercado está aberto a profissionais com mais de 50 anos de idade. Compromisso e experiência são características desses trabalhadores.    



 

Cada vez mais, o mercado de trabalho está abrindo as portas para a contratação de profissionais com mais de 50 anos. Com mais experiência e maturidade, esses profissionais, inclusive, são tidos como preferenciais para algumas funções. É o caso, por exemplo, de cargos na área financeira, que tem um rigor grande com o quesito da honestidade, e cargos na área bancária, que lidam com sigilo.

No Brasil, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, são 46 milhões de pessoas com mais de 50 anos, o que representa 23% do total da população. Nos últimos dez anos, o número de desempregados nessa faixa etária caiu 62%. Em 2005, 4,2% deles estavam fora do mercado. Já em março deste ano, a taxa era de 1,6%.

Segundo a gerente de recrutamento e seleção da empresa Trabalhando.com, Carmen Benet, atualmente, muitas pessoas dessa faixa etária estão se colocando no mercado de trabalho e a aceitação é cada vez maior. "Da mesma forma que existem empresas que preferem jovens da geração Y, existem empresas que dão prioridade a pessoas mais velhas, mais experientes. Na verdade, experiência e maturidade são dois pontos que contam muito nessas situações", explica.

É o que diz, também, a gerente de relacionamento da Vagas Tecnologia, Fernanda Diez. "A valorização se dá, principalmente, pela qualificação e vivência de mercado que esses profissionais possuem", afirma. Segundo ela, esses profissionais podem contribuir com as equipes, mostrando exemplos de boas práticas adotadas em empresas anteriores e que geraram bons resultados.

Autoestima e renda familiar ganham com a volta ao serviço

A Guarda Militar da Reserva da Polícia Militar é um dos exemplos de iniciativas que valorizam a vida produtiva após os 50 anos de idade. Da Guarda, participam policiais militares e bombeiros que se encontrem devidamente aposentados mas que desejam voltar ao serviço ativo da corporação. "São policiais que passaram para a inatividade mas que continuam com o desejo de exercer seu trabalho", afirma o major Cristovam Lucas, coordenador adjunto da Guarda.
Segundo ele, atualmente a Guarda conta com 708 homens. “Ela garante um reforço nas ruas, já que o guarda militar da reserva é empregado no serviço de guarda patrimonial, o que possibilita que o policial da ativa que exerce essas funções volte ao serviço operacional”, explicou.
Além de receber outro salário, o que lhes garante uma nova fonte de renda, o trabalho lhes garante, também, um aumento de autoestima. É o que conta, por exemplo, o subtenente Erivan Olímpio Flor. "Eu mesmo não gosto de ficar em casa. A pessoa fica obsoleta, andando de um lado pro outro, sem fazer nada.
Quando eu era da ativa, era doido pra me reformar, mas depois que me reformei, não gostei. Bom mesmo é estar aqui", opina.
Para ele, além do ganho financeiro, o trabalho também garante que se fique em plena atividade e, o melhor, que se possa rever velhos amigos. "Tá todo mundo voltando. Ninguém mais quer ficar em casa", pontua.

Desafios são maiores para os mais velhos

Embora muitos pensem que os desafios profissionais para quem tem mais de 50 anos de idade são maiores do que os que estão em outras faixas etárias, os especialistas advertem: os desafios são os mesmos para qualquer idade. Para a gerente de relacionamento da Vagas Tecnologia, Fernanda Diez, para os profissionais que possuem essa maior vivência de mercado, esse será o momento de trocar experiências com a equipe, estando sempre aberto a novas ideias.
"Os desafios profissionais são os mesmos para qualquer idade.
Se adaptar à cultura da empresa, interagir com sua equipe e, acima de tudo, saber respeitar as diferenças são primordiais", afirma. Segundo ela, manter-se atualizado é um requisito primordial a todos os profissionais. "A recomendação é realizar cursos de atualização, buscar conhecimentos em línguas que sejam relevantes ao mercado no qual atua e estar atento às tendências de mercado", pontua.
De acordo com a especialista em recursos humanos Débora Magalhães, da Mais Seleção e Desenvolvimento de Pessoas, para atividades ligadas ao turismo e hospitalidade, o domínio do inglês e espanhol é muito importante. "A informática será necessária em muitos cargos, portanto é essencial que o profissional tenha boa digitação e esteja atualizado com os programas mais utilizados. Saber utilizar a internet é fundamental", pontua. E complementa: "A idade não será um empecilho se a vontade de conquistar e manter um emprego for superior".