Concursos e Empregos

Simulado facilita aprendizado

Simulados possibilitam fixação dos conteúdos e prática para as provas



Uma ferramenta cada vez mais utilizada por quem está estudando para se submeter às provas dos concursos públicos, os simulados, antes feitos apenas de forma presencial nos cursinhos, hoje se espalham pela internet, dando ao candidato a chance de se preparar de forma mais direcionada para o certame em questão, além de poder comparar seu desempenho com o dos demais participantes.

Hoje, já existem sites que são focados exclusivamente na ferramenta que, a ela, atrelam filtros e demais instrumentos de forma a maximizar o desempenho do usuário. Os candidatos, no entanto, devem estar atentos: não se deve agir, por exemplo, como se fosse uma competição na qual se tem a obrigação de tirar a maior pontuação possível. O que importa é a aprendizagem.

De acordo com o especialista em concursos públicos Rogério Neiva, a realização de simulados possibilita o desenvolvimento de três diferentes aspectos: revisar o conteúdo com o qual já se teve contato, o que é importante para a consolidação de memórias de longo prazo; identificar conteúdos com os quais não se teve contato ou que foi estudado mas que o candidato não se lembra, o que tem o sentido de diagnóstico, na medida em que fazendo exercícios é possível identificar as duas situações; e sentido operatório, de modo a ter contato com a forma como o conteúdo é cobrado, sendo que no caso seria importante fazer exercícios da mesma empresa que organiza o concurso pretendido.

Em sites em que são oferecidos simulados, eles são direcionados para cada tipo de concurso, respeitando o modo com que cada banca cobra determinados assuntos. Dessa forma, o candidato pode, por exemplo, identificar quais questões aparecem com mais frequência em determinadas provas, além de perceber quais assuntos são mais valorizados em detrimento de outros.

Isso, no entanto, não quer dizer que, ali, através do simulado, o candidato terá exatamente o espelho de sua prova: surpresas podem - e são bem prováveis - acontecer. Com os simulados, no entanto, o candidato pode se preparar de forma mais direcionada para o concurso.

Uma boa ferramenta disponível nos simulados online é a presença do cronômetro. De acordo com Paulo César Junqueira, coordenador pedagógico do Simulado Brasil Concurso, o objetivo disso é fazer o candidato ter em mente que ele deve controlar o tempo despedido em cada questão. "Assim, no dia da prova, que é muito extensa, ele já terá uma noção de quais matérias deverá alocar mais tempo para resolução", explica.

Já o site gabarite.com.br não utiliza o cronômetro. "Achamos que o tempo em uma prova de concurso é muito importante, mas pelo computador, você mesmo, em casa, pode simular esse tempo se quiser", diz Rodney Ferreira, fundador pelo portal. Dessa forma, é dada mais liberdade para aquele concurseiro que está começando a se preparar para os concursos, e pode despender o tempo que quiser em cada questão.

Fora isso, o portal também oferece algumas ferramentas que permitem o usuário comparar seu desempenho com o dos demais: dados estatísticos como médias de notas e ferramentas que facilitam a interatividade do participante concurseiro são fornecidos fazendo com que o usuário perceba e avalie o seu desempenho em determinado assunto em relação a outros participantes.

As ferramentas atreladas aos simulados, na verdade, são inúmeras. Tudo sempre pensado de forma a facilitar a vida do concurseiro e fazer com que ele tenha o máximo de proveito dos exercícios. No Simulado Brasil Concurso, o site oferece filtros para que o usuário selecione as matérias que deseje estudar, assim como as bancas. Outra ferramenta disponível também é a "Questão de Concursos", na qual ele pode praticar estudando apenas por questões. "É um outro método de preparação, no qual o usuário resolve questões da maneira que melhor lhe interessar. Alguns usuários preferem começar praticando com questões, para só depois fazer os simulados e poder comparar os seus resultados com os dos outros candidatos", esclarece Paulo César.

De acordo com o especialista em concursos Rogério Neiva, no entanto, há outros pontos a serem levados em consideração, também, no sentido de maximizar o proveito que se pode tirar dos simulados: não se deve agir, por exemplo, como se fosse uma competição na qual se tem a obrigação de tirar a maior pontuação possível. "Muitas vezes, quando se adota esta postura, o candidato se esquece de entender por que errou. A chave é entender que fazer exercícios consiste em forma de aprendizado, e não de disputa consigo mesmo ou de desafio de superação de pontos", alega.

Resolução de questões deve começar logo após o edital

Mas, afinal, qual a melhor hora de se começar a fazer os simulados? No exato momento em que o edital é lançado e o candidato começa a se preparar para o certame ou somente lá na frente, quando já tem uma certa bagagem de estudos nas costas? A questão, na verdade, é polêmica e divide opiniões.
Para Rodney Ferreira, fundador do gabarite.com.br, o momento ideal é desde o começo, quando sai o edital do novo concurso.
"O candidato deve ir no programa das matérias, anotar e começar a correr atrás de provas e simulados que contenham esses assuntos. É um ciclo, você estuda, resolve simulados, identifica o que errou, estuda novamente, resolve simulados...", opina.
Já para Paulo César Junqueira, coordenador pedagógico do Simulado Brasil Concurso, a escolha do momento em que se deve começar a fazer os simulados depende de cada candidato. "Eu, particularmente, gosto muito de simulados nas últimas semanas que antecedem a prova, assim eles sedimentam o conhecimento que conseguimos através da leitura. Outros gostam de estudar uma certa quantidade de matéria e já praticar em cima daquele conteúdo, e assim vai. Como disse, é bem relativo!", declara.
O especialista em concursos Rogério Neiva, por outro lado, aponta que, nessa questão, são pontos decisivos a subjetividade de cada um e mesmo o estilo de aprendizagem.
"Os dois caminhos têm vantagens e desvantagens. Há quem pense que é necessário sempre fazer exercícios. Mas é possível que o ideal seja concluir o contato com o conteúdo, para depois fazer exercícios", alega.