Concursos e Empregos

Concurso para a Marinha é chance para profissionais

Valorização profissional e segurança estão entre os principais atrativos da carreira militar para concurseiros



Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal
A jornalista Talitha Barbosa prepara-se para concursos militares e diz que manter o foco na área é fundamental


Atualmente com três editais abertos, os concursos da Marinha podem ser a possibilidade de uma carreira estável e com remuneração razoável (e até mesmo maior do que outros tantos concursos oferecem). Com a bibliografia detalhada no edital, os candidatos, no entanto, têm que se esforçar ao máximo para conseguir uma vaga, já que é necessário praticamente “fechar” a prova para garantir a aprovação. O que poucos sabem, no entanto, é que é possível dar início à carreira militar já a partir dos 15 anos de idade, por meio do Colégio Naval.

A jornalista Talitha Barbosa está fazendo, este ano, pela segunda vez o concurso para a Marinha. "Minha família já tem um histórico na Marinha. Meus bisavôs e meu tio foram militares e meu pai estudou em colégio militar, embora não tenha seguido a carreira. Mas ele sempre falava muito desses concursos, principalmente do Exército. Eu não dava muita atenção porque quando fazia a faculdade de Jornalismo estagiava em assessoria e minha praia era aquela. Só que com o tempo, quando me formei, mudei de cidade e vi que o mercado de trabalho era muito restrito. Foi aí que resolvi começar a pesquisar sobre os concursos militares", conta.

Ao dar início às pesquisas, ela observou características não só referentes ao concurso em si, mas também em relação ao Curso de Formação e à carreira militar. De acordo com o capitão-de-fragata Cléber Ribeiro, muitos são os atrativos da carreira militar. "A Marinha te proporciona saúde. Ela tem hospitais próprios e convênio com os melhores hospitais. É uma instituição reconhecida pela sociedade. Nós fazemos a diferença. Fora isso, nós também temos a possibilidade de galgar postos acima dos nossos e isso só depende de nós mesmos e não da vontade de um chefe ou algo assim", indica, enumerando alguns dos benefícios da vida militar.

Inicialmente focada no concurso do Exército, Talitha mudou de ideia quando conheceu, através de amigos, a prova da Marinha.

"Eu fiz para testar e percebi que essa prova é muito mais próxima da minha realidade. Diferente da do Exército, a prova da Marinha só cobra conteúdos de Português e Conhecimento Específico. É uma bibliografia mais fácil, mas é uma prova que você tem que fechar", explica. Mesmo tendo tipo tempo de estudar apenas 15 dias para o certame do ano passado, ela conseguiu acertar mais de 50% da prova.

Atualmente, ela estuda através da referência bibliográfica, fazendo resumos e esquemas. "A parede ao lado da minha cama é cheia de esquemas. Então se eu acordar e tiver com preguiça de ir estudar, eu olho para aquilo ali e lembro que é um assunto que vai cair na prova, e aí vou tentando memorizar", relata. "Concurso é foco. Você tem que escolher um e se preparar para ele", complementa.

Já o capitão-de-fragata Cléber Ribeiro, que já obteve onze promoções desde que iniciou sua carreira na Marinha, sente-se satisfeito com sua vida profissional. "Se você me perguntar se eu estou feliz hoje em dia, garanto a você que sim. Eu adoro a vida na Marinha. E uma coisa que muitos não sabem é que nós não estamos aqui apenas para defender a pátria. Tem também algumas atividades subsidiárias. A salvaguarda da vida no mar, por exemplo, e a prevenção à poluição hídrica. Nós temos uma qualidade de vida, como profissionais e, fora isso, também deixamos nossa contribuição para a sociedade", comenta.